Resultado Econômico x Resultado Financeiro, quais as principais diferenças entre os dois?

Uma pergunta que sempre ouço é, “Holder, minha empresa está tendo lucro, por que não tenho caixa?”. Qual a diferença entre caixa e lucro e o qual o cuidado temos que ter neste momento de crise?

Muitas vezes vejo pessoas com um bom conhecimento de finanças empresarias confundindo o resultado econômico com o financeiro, mas na verdade, qual a diferença entre os dois?

O resultado econômico nasce do regime de competência, um dos princípios contábeis, que nos diz que quando tomamos conhecimento de um novo fato, temos que fazer o seu lançamento pelo valor integral, ou seja, se eu compro um computador para pagar em 12 parcelas por R$ 2.000,00 (dois mil reais), tenho que lançar pelo regime de competência e economicamente, o seu valor integral de compra, que nesse caso são R$ 2.000,00, não importando como vai ser pago nem muito menos quando. O principal demonstrativo contábil para o resultado econômico é a DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) e este nos demonstra o lucro ou o prejuízo ocorridos no período em análise, deduzindo-se as despesas das receitas realizadas.

Já o resultado financeiro está ligado ao regime de caixa que registra as entradas e saídas do caixa e equivalentes de caixa da empresa em determinado período, quer dizer, no nosso caso registramos apenas as saídas mensais de caixa relativos aos pagamentos de cada uma das 12 parcelas da compra do computador, sem que seja necessário saber o valor total ou o porque da compra. O principal demonstrativo para o resultado financeiro é a DFC (Demonstração do Fluxo de Caixa) que tem como resultado a geração de caixa do período que pode ser positiva, superávit de caixa, ou negativa, déficit de caixa.

Desta forma, temos dois regimes diferentes e resultados que não tem como se equivalerem, já que nem todos os gastos são desembolsáveis e nem todos os desembolsos são advindos de gastos, tendo o mesmo raciocínio utilizado quando analisamos receitas e entradas de caixa.